O aplicativo de entrega de comida iFood anunciou nesta quinta-feira (10) que vai começar a fornecer um pacote com seguro, descontos e cursos para os motoristas e entregadores. Segundo a empresa, os benefícios não terão custo para os usuários, nem para quem trabalha com o app.

O seguro para acidentes cobrirá despesas médicas e odontológicas e vale enquanto o entregador estiver em trânsito, logado no aplicativo, em qualquer tipo de veículo, incluindo motos e bicicletas.

Veja mais detalhes:

  • Caso o motorista sofra um acidente enquanto faz uma entrega, o seguro faz o reembolso de até R$ 15 mil em despesas médicas;
  • Em caso de morte acidental, o seguro tem cobertura no valor de R$ 100 mil;
  • Se o motorista tiver invalidez permanente, total ou parcial, o seguro tem cobertura de até R$ 100 mil.

Disponível para entregadores na Grande São Paulo já neste mês, o seguro será expandido para toda a rede — que conta com mais de 72 mil entregadores — até o final de novembro, segundo a empresa.

O seguro poderá ser acionado por meio de um canal de atendimento na seguradora.

Programa de pontos e curso

O iFood também anunciou uma parceria com o Sesi-SP para treinamentos. Com aulas à distância, disponíveis a partir do momento que há cadastro no aplicativo, o curso traz dicas de finanças pessoais, segurança e cuidados com equipamentos.

A empresa criou ainda um programa de pontos, chamado de “iFood Delivery de Vantagens”, para dar descontos aos entregadores em serviços como seguro de moto e plano de saúde.

Segundo Roberto Gandolfo, diretor de logística da empresa, estas foram algumas das principais demandas identificadas em uma pesquisa feita com os entregadores. “Eles estão preocupados com veículos, com família e educação”, afirmou Gandolfo.

A pontuação depende do número de entregas feitas e tem um limite diário

  • Para motos: cada entrega concluída acumula 2 pontos;
  • Para bicicletas: cada rota concluída, acumula 4 pontos;
  • Gorjetas: para cada real ganho em gorjetas, acumula 1 ponto. Se ganhar R$5, serão convertidos 5 pontos.

Existe um limite de acúmulo de 14 pontos diários. Segundo o iFood, isso acontece como uma medida de segurança — para evitar que muitas entregas sejam feitas em um único dia.

Em julho, o iFood já havia anunciado o fim do bônus por maior número de entregas em São Paulo. Existia uma discussão sobre se esse bônus incentivava jornadas longas e acabava aumentando o número e acidentes envolvendo motociclistas. O acordo foi expandido para todo o Brasil, segundo Gandolfo.

O executivo diz que, no futuro, o projeto de pontos poderá ser ampliado para dar descontos em cursos de ensino superior, por exemplo.

Número de entregadores mais que dobra

O diretor diz que essas iniciativas se mostraram necessárias conforme a base de entregadores cresceu. A empresa mais do que dobrou de tamanho no último ano, e o número de entregadores seguiu o mesmo ritmo.

“O iFood sempre pensou nos usuários finais que usam o aplicativo, nos restaurantes parceiros, com fornecimento de informações e ferramentas. Agora é a vez dos entregadores”, disse.

Empresas de tecnologia que operam esse tipo de modelo de negócios — incluindo o iFood e concorrentes como Uber e Rappi — já foram criticadas por causa do limbo trabalhista que existe entre elas e os prestadores dos serviços. Sem vínculo formal de emprego, esses trabalhadores acabam ficando sem a rede de apoio que é garantida pelas leis trabalhistas.

Ao mesmo tempo, a facilidade de entrada nesse mercado é apontada como um fator que atenua a crise econômica e o número de desempregados no país.

Fonte: Portal G1

Línea.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

EBOOK: MAIS DE 600 MODELOS DE QUESITOS DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE